Publicado en Aula de língua Portuguesa 7ºano, Aula de língua Portuguesa 8ºano, AULA DE PORTUGUÊS

Descrição objetiva e subjetiva

Exemplo de descrição de paisagem:

A PAISAGEM

Há algum tempo atrás passei por uma paisagem muito bonita, que me ficou na memória… lembro-me desse dia, como, se fosse hoje.

Na paisagem, em primeiro plano podia-se observar uma cabana rústica, feita de madeira, com um aspeto de ser bastante antiga. Uns metros mais atrás da cabana, à esquerda, havia duas árvores, uma mais alta que outra, mas as duas de tom verde-escuro.

Na paisagem existiam bastantes colinas verdes, que subiam e desciam vezes sem conta.

Em segundo plano, havia uma bela e grande igreja branca com uns belos azulejos azuis limpos e brilhantes, e bem perto da igreja existiam ainda umas grandes árvores, de tom verde-claro.

Ao fundo da paisagem, por cima de tudo e de todos, umas grandes e belíssimas montanhas…

Esta foi uma paisagem muito bela que me ficou na memória.            

Paisagem


– Não imaginas a paisagem lindíssima que vi no fim-de-semana! Era uma paisagem colorida, cheia de verde à volta, devias ter visto! Ouvia-se os pássaros a cantar, melodias tão bonitas… Viam-se várias árvores, montanhas e casas, cada casa tinha uma beleza única! Também havia uma igreja ao fundo de tudo, estava rodeada com árvores e natureza, o que a tornava mais bela do que já era! Se tivesses lá, ias adorar! Para além dos pássaros, ouviam-se os sinos da igreja e o vento… Mais atrás da igreja, viam-se campos agrícolas e pastores a pastar o seu gado! Era tudo tão bonito. Espero voltar lá mais vezes! A uns metros, à frente da igreja estava uma cabana, que parecia abandonada. A cabana era castanha e pequena. À esquerda da cabana não havia árvores, só se via relva, um pouco seca. Mas era tudo tão lindo, que é impossível esquecer! Espero que um dia vás lá!

Dinâmica- desenhe a paisagem ao ouví-la

Agrupamento de Escolas Visconde de Juromenha - ppt carregar
Redação Descritiva Texto Descritivo De Uma Pessoa Exemplo – Novo Exemplo

Além, muito além daquela serra, que ainda azula no horizonte, nasceu Iracema.
Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna, e mais longos que seu talhe de palmeira.
O favo da jati não era doce como seu sorriso; nem a baunilha recendia no bosque como seu hálito perfumado.
Mais rápida que a corça selvagem, a morena virgem corria o sertão e as matas do Ipu, onde campeava sua guerreira tribo, da grande nação tabajara. O pé grácil e nu, mal roçando, alisava apenas a verde pelúcia que vestia a terra com as primeiras águas. (trecho da obra Iracema de José de Alencar)